Rua Barão do Rio Braco, 828 
Bairro Rio Branco
Estância Velha
93600-000
 
Telefone: (51) 3561-2905
Fax: (51) 3561-2905
 
Secretaria:
Comunicação:
 
O expediente da Secretaria é de segunda a sexta-feira, das 7h15 - 12h   e 14h - 17h15
 
CAPTCHA

Histórico

 
O Sínodo Nordeste Gaúcho faz parte da IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. A IECLB tem sua origem no movimento da reforma da igreja no século 16 do qual Martim Lutero foi um grande protagonista. O luteranismo chegou ao Brasil  em 1824 junto com a imigração alemã e, embora tenha permanecido mais concentrado no Sul e Sudeste do Brasil por mais de um século, hoje há comunidades luteranas espalhadas por todo o Brasil. Nossa igreja procura exercitar a solidariedade e a comunhão no testemunho da fé cristã. No âmbito nacional, a IECLB se estrutura em 18 Sínodos, abrangendo todos os estados do território brasileiro.
 
O Sínodo Nordeste Gaúcho, com sua sede em Estância Velha, abrange 66 municípios (Vale do Paranhana, Vale dos Sinos, Vale do Caí e Serra)  através de 29 paróquias, 104 comunidades, 95 pontos de pregação e uma área missionária sinodal em Caxias do Sul, totalizando em torno de 57.000 membros batizados.
 

Documentos Normativos

 
ESTATUTO DO SÍNODO NORDESTE GAÚCHO
IECLB
 
CAPÍTULO I
 
Da denominação, fins, sede e duração.
 
Art. 1º - O Sínodo Nordeste Gaúcho - IECLB, a seguir denominado somente SÍNODO, é órgão descentralizado da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, a seguir denominada IECLB, e, como entidade civil, é uma associação religiosa, com personalidade jurídica própria e sem fins lucrativos, atuando sob sua exclusiva responsabilidade.
 
Art. 2º - O SÍNODO é  constituído por Paróquias, Comunidades e pelos membros destas, filiados à IECLB, existentes na área de sua abrangência, e reger-se-á pelas disposições deste estatuto, pelas disposições da  Constituição da IECLB e respectivas normas complementares.
Parágrafo único: Com o objetivo de melhor realizar suas tarefas, o Sínodo poderá, por decisão da Assembléia Sinodal, criar instituições e departamentos, estruturar-se em setores e serviços.
 
Art. 3º - O SÍNODO tem como tarefa obedecer os fundamentos e cumprir os objetivos fundamentais da IECLB e os que lhe forem atribuídos pelos  documentos normativos a que se refere o artigo anterior, bem como exercer as funções que lhe forem delegadas pelo Concílio e pelo Conselho da Igreja e as decididas pelos seus próprios órgãos,  cabendo-lhe atuar de forma integrada com os órgãos centrais da IECLB.
 
Art. 4º - O SÍNODO tem sede e foro jurídico na cidade de Estância Velha e é constituído por tempo indeterminado.
 
CAPÍTULO II
 
Da Administração.
 
Art. 5º - São órgãos de administração do SÍNODO:
    I - A Assembléia Sinodal;
    II - O Conselho Sinodal;
    III - A Diretoria do Conselho Sinodal.
 
Seção I
Da Assembléia Sinodal
 
Art. 6º - A Assembléia Sinodal é o órgão soberano do SÍNODO, cabendo-lhe:
    I - aprovar o plano de objetivos e metas da missão da Igreja em sua área;
   II - aprovar a proposta de orçamento e prestação de contas do ano findo após parecer do Conselho Fiscal, apresentada pelo Conselho Sinodal;
    III - aprovar a filiação de uma Comunidade à IECLB;
    IV - indicar candidatos(as) a Presidente do Concílio  e respectivo suplente, a Pastor(a) Presidente e Pastor(a) 1o(a) e 2o(a) Vice - Presidentes;
    V - estabelecer diretrizes para o controle administrativo e a fiscalização da administração do Sínodo;
    VI - manter-se amplamente informada sobre as atividades e a administração do Sínodo;
    VII - Promover:
a) a reflexão e o debate sobre os temas fundamentais de interesse da Igreja;
b) a comunhão e o compartilhamento de experiências de fé entre seus integrantes.
    VIII - regulamentar os processos administrativos do SÍNODO;
    IX - incentivar a solidariedade entre as comunidades;
    X - homologar as indicações de representantes e seus(suas) suplentes dos ministérios e setores de trabalhos do Sínodo no Conselho Sinodal;
    XI - eleger:
    a - Presidente da Assembléia Sinodal
    b -  o(a) Pastor(a) Sinodal e o(a) Vice-Pastor(a) Sinodal;
    c - o(a) representante do SÍNODO no Conselho da Igreja e respectivos(as) primeiro(a) e segundo(a) suplentes;
    d - os delegados e delegadas do SÍNODO ao Concílio da IECLB e respectivos (as) primeiro(a)  e segundo(a) suplentes;
    e - o Conselho Fiscal.
    f - a Comissão Jurídico Doutrinária
Parágrafo Único - O(A) Presidente da Assembléia Sinodal convocará e presidirá a Assembléia Sinodal.
 
Art.7º - A Assembléia Sinodal é composta:
    I   - pelos/as membros do Conselho Sinodal;
    II  - por um(a)  ( 01) representante por comunidade;
    III - pelos/as  obreiros/as  ordenados/as em dedicação integral ou parcial em cada paróquia em âmbito Sinodal;
   IV - Por representantes das Instituições da IECLB em âmbito Sinodal, indicados pela Diretoria do Conselho Sinodal, na fração de 1/3 do total.
    Parágrafo Único - O mandato dos(as) componentes da Assembléia Sinodal será de quatro (04) anos, permitida uma reeleição.
 
Art. 8º - A Assembléia Sinodal reunir-se-á ordinariamente a cada ano,  por convocação do(a) seu  Presidente e, extraordinariamente, sempre que necessário por convocação do/a seu Presidente ou um terço (1/3) dos presbitérios de Comunidades filiadas, sempre estabelecendo a ordem do dia, partindo de sugestões da Diretoria do Conselho Sinodal.
 
Art. 9º - A Assembléia Sinodal somente poderá funcionar com a presença de mais da metade de seus componentes e tomará as suas decisões pela maioria  dos  presentes, ressalvadas as disposições destes estatuto em contrário.
 
Seção II
Do Conselho Sinodal
 
Art. 10 - O Conselho Sinodal é composto:
    I - Pela Diretoria do Conselho Sinodal;
    II  - Pelo(a) Pastor(a) Sinodal e Vice - Pastor(a) Sinodal;
    III  - Por Representante do Sínodo no Conselho da Igreja;
    IV - Pelos delegados e delegadas do Sínodo ao Concílio;
    V - Por um ( 01) membro indicado por Paróquia;
    VI  - Por um(a) ( 01) representante de cada ministério ordenado em âmbito Sinodal.
    VII - Por um(a) ( 01) representante de cada Coordenação em âmbito Sinodal;
    VIII - Por um(a) representante dos obreiros e obreiras eméritos em âmbito Sinodal.
Art. 11 - O mandato dos membros do Conselho Sinodal e de sua Diretoria será de quatro (04) anos, permitida uma reeleição para o mesmo cargo; o início se dará com a posse em culto, ministrado pelo(a) Pastor(a) Presidente, devendo ocorrer num prazo de até noventa dias após o mês subseqüente às eleições.
    .
Parágrafo Único - A transmissão dos cargos, mediante transferência de documentos e valores por parte da Diretoria do Conselho Sinodal, em término de mandato, para a nova Diretoria, dar-se-á no prazo máximo de dez dias após a posse desta. 
 
Art. 12 - O Conselho Sinodal nomeará Comissões, Auditorias e Grupos de Trabalho necessários para o fiel cumprimento de suas tarefas.
Art. 13 - Compete ao Conselho Sinodal:
    I  - zelar para que sejam alcançados os objetivos fundamentais da IECLB em âmbito Sinodal;
    II - promover a missão e a evangelização;
    III - prover os meios necessários para a realização dos objetivos visados;
    IV - exercer o controle dos órgãos e das instituições na sua área de abrangência;
    V - diligenciar o recebimento das contribuições devidas à IECLB;
    VI - fazer o repasse das contribuições à Secretaria Geral na forma estabelecida;
    VII - Elaborar e apresentar, anualmente, à Assembléia Sinodal a proposta de orçamento do Sínodo e a prestação de contas do exercício findo;
    VIII - resolver as questões de ordem administrativa  em âmbito Sinodal;
    IX - cumprir e fazer cumprir as decisões e resoluções da Assembléia Sinodal;
    X  - elaborar programas de atividades missionárias;
    XI - estabelecer a remuneração do(a) Pastor(a) Sinodal e dos outros obreiros e     obreiras  a serviço do Sínodo,  dentro das normas gerais estabelecidas pelo Concílio e Conselho da Igreja;
    XII - Motivar e acompanhar a arrecadação de recursos das comunidades e paróquias a fim de garantir o bom funcionamento das funções sinodais , bem como a realização dos objetivos estabelecidos.
    XIII - Resolver os casos omissos
 
Seção III
Da Diretoria do Conselho Sinodal
 
Art.14 - À Diretoria do Conselho Sinodal compete superintender as atividades administrativas do Sínodo e garantir o apoio necessário às atividades do(a) Pastor(a) Sinodal  e será composta de Presidente, Secretário(a), Tesoureiro(a) e respectivos(as) vices, eleitos(as) em reunião do Conselho Sinodal, dentre seus membros ou por indicação das comunidades e paróquias.
Parágrafo único - O mandato dos membros da Diretoria do Conselho Sinodal é de quatro ( 04 ) anos, com direito a uma reeleição para o mesmo cargo.
 
Art. 15 - Compete à Presidência da Diretoria do Conselho Sinodal:
    I - representar o Sínodo judicial e extrajudicialmente;
    II - dirigir as atividades administrativas do Sínodo;
    III  - convocar e presidir as reuniões do Conselho Sinodal;
   IV - admitir e demitir o pessoal necessário ao funcionamento do Sínodo, fixando-lhes a remuneração, ouvida a Diretoria do Conselho Sinodal.
 
Art. 16 - Compete ao(a) Tesoureiro(a):
    I - arrecadar as contribuições das Comunidades e/ou Paróquias, mantendo o necessário controle quanto à regularidade do repasse dessas contribuições;
    II - manter sob sua guarda e responsabilidade os bens e haveres do Sínodo;    
    III - efetuar os repasses necessários à Secretaria Geral da IECLB e os demais pagamentos de responsabilidade do Sínodo;
    IV - assinar, isoladamente, ou em conjunto com o(a) Presidente, os cheques, documentos ou títulos de responsabilidade pecuniária do Sínodo, dando e recebendo quitação em nome do Sínodo.
 
Seção IV
Do Conselho Fiscal
 
Art. 17 - O Conselho Fiscal, eleito pela Assembléia Sinodal para um mandato de quatro anos, composto de três membros titulares e de dois suplentes, terá a incumbência de acompanhar e avaliar a administração do Sínodo bem como emitir perante a Assembléia Sinodal,  parecer sobre a regularidade da administração financeira do Sínodo para o que , a qualquer momento, deverão ser-lhes apresentados, por parte da Diretoria do Conselho Sinodal, todos os documentos relativos à administração.
 
Seção V
Do(a) Pastor(a) Sinodal
 
Art. 18 - O Sínodo terá a atuação de um(a) Pastor(a) Sinodal  e de um(a) Vice-Pastor(a) Sinodal, eleitos(as) pela Assembléia Sinodal, com mandato de quatro anos, sendo permitida uma reeleição para o mesmo cargo.
 
Art. 19 - O(A) Pastor(a) Sinodal exercerá o seu mandato de forma compartilhada com o(a) Vice-Pastor(a) Sinodal  e, além das atribuições específicas estabelecidas nos documentos da IECLB, compete-lhe:
    I - instalar os obreiros e as obreiras, visitá-los e assisti-los(as) em suas dificuldades no ministério e na vida pessoal;
    II   - supervisionar o trabalho eclesiástico em âmbito sinodal;
    III  - consagrar templos e outros recintos para o serviço da Igreja;
    IV - priorizar os planos e atividades missionárias em âmbito sinodal;
    V - exercer, em âmbito sinodal;, as relações de caráter religioso com outras entidades religiosas ou civis e com os órgãos públicos;
    VI - sugerir ao Conselho Sinodal a reavaliação de decisões tomadas por quaisquer das Coordenações ou Conselhos Assessores em funcionamento em âmbito sinodal;, bem como sobre a sua forma de atuação, à exceção do Conselho Fiscal;
   VII - apresentar relatório anual de suas atividades e propor, ao Conselho e à Assembléia Sinodal, programas de atuação para o exercício seguinte;
    VIII - em conjunto com o Conselho Sinodal:
       a) exercer a função de guia espiritual das Comunidades e dos obreiros e obreiras dos diversos ministérios que nelas estiverem atuando;
          b) zelar pela unidade de orientação doutrinária e pastoral da Igreja, em âmbito  
sinodal;
         c) dedicar-se de modo especial ao aprofundamento teológico e prático dos obreiros e obreiras e de colaboradores(as) nos diversos ministérios, através de conferências, seminários, fóruns e estudos;
    IX - atuar de forma coordenada com o(a) Pastor(a) Presidente da Igreja nas
iniciativas e propostas de trabalho deste, em âmbito sinodal;
 
CAPÍTULO III
 
Do Patrimônio
 
Art. 20 - O patrimônio do Sínodo é formado de bens e recursos, obtidos das contribuições das Paróquias, Comunidades, bem como da angariação de fundos,  recebimento de donativos, auxílios, subvenções, recursos provenientes de convênios com órgãos públicos ou particulares e, ainda, dos resultados provenientes de investimentos e aplicações de seus recursos.
 
Art. 21 - O patrimônio do Sínodo responderá pelas obrigações assumidas em seu nome pelo Conselho Sinodal ou pela Diretoria do Conselho Sinodal, excluindo-se a esse respeito toda e qualquer hipótese de responsabilidade subsidiária por parte dos membros e entidades filiadas ou da administração Central da IECLB.
 
Art. 22 - Sob nenhuma forma ou título, tais como bonificação, lucro ou participação nos seus resultados, poderá o Sínodo distribuir seu patrimônio ou suas rendas entre os seus dirigentes ou filiados.
Parágrafo único - Os membros da Diretoria do Conselho Sinodal e das demais comissões do Conselho não serão remunerados pelo exercício dos cargos que ocupam.
 
Art. 23 - A decisão sobre oneração, arrendamento, compra, venda, permuta ou doação de bens imóveis do Sínodo ou de bens móveis de grande valor, carecem da aprovação da maioria de dois terços dos membros que compõem o Conselho Sinodal.
 
Art. 24 - O Sínodo poderá dissolver-se, quando três quartos (3/4) dos membros capazes de constituírem a Assembléia Sinodal, assim o resolverem, em Assembléia Sinodal, especialmente convocada para este fim, condicionado à aprovação pela Concílio da IECLB.
Parágrafo Único: Em caso de dissolução do Sínodo, o Conselho da IECLB decidirá sobre o destino do patrimônio do mesmo.
 
Art. 25 - Se no Sínodo surgir uma cisão, o seu patrimônio permanecerá com a parte que continuar vinculada à IECLB.
 
Art. 26 - No caso de o Sínodo decidir por desvincular-se da IECLB, o seu patrimônio reverterá para a IECLB.
 
CAPÍTULO IV
 
Das Disposições Finais e Transitórias
 
Art. 27 - Outras  atribuições e funcionamento das instâncias à nível sinodal serão estabelecidas no Regimento Interno do Sínodo.
 
Art. 28 - As eleições e indicações  a que se referem o inciso XI,   letras b, c, d, do art. 6º deste estatuto, serão efetuadas através de votação secreta, dentre os nomes indicados pelas Comunidades e Conselhos Paroquiais, sendo  considerados respectivamente  indicados e eleitos os que obtiverem a maioria dos votos válidos apurados.
 
Parágrafo único - Na ausência de indicações para quaisquer cargos por parte das Comunidades ou dos Conselhos Paroquiais, nos termos do caput deste artigo,  serão  consideradas válidas e aceitas as feitas durante a própria Assembléia Sinodal, por no mínimo dez por cento de seus componentes.
 
Art. 29  - O presente estatuto somente poderá ser alterado pela Assembléia Sinodal, pela maioria absoluta de seus componentes, mediante proposta aprovada previamente pela maioria dos Conselhos Paroquiais, condicionada à aprovação pelo Conselho da Igreja da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil.
 
Art. 30 - Qualquer membro, setor de trabalho, Comunidade ou Conselho Paroquial tem legitimidade para propor a reforma referida no artigo anterior, apresentando-a ao Conselho Sinodal, a quem caberá fazer os encaminhamentos necessários para as finalidades previstas no artigo anterior.
 
Art. 31 - Qualquer proposição à Assembléia Sinodal, que implique despesas, somente poderá ser apreciada se indicar  a correspondente fonte de recursos para o respectivo custeio.
 
Art. 32 - O presente estatuto aprovado na Assembléia Sinodal realizada no dia 26 de setembro de 2009,  na cidade de Canela, pela maioria absoluta de seus componentes, cujo rol consta nas credenciais desta e,entrará em vigor na data do seu registro na forma da lei civil e revogará as disposições em contrário do Estatuto anterior registrado no  1º Serviço Notarial e Registral de Estância Velha - RS, no Livro “ 01.”, sob o nº 291, em data de 30/12/1997, cabendo ao Presidente da Diretoria do Conselho Sinodal tomar todas as providências para este fim.
 
Canela, 26 de setembro de 2009
 

Conselho Sinodal

 
Da esq. para a dir atrás.:  Alécio Patzlaff, Celso Nicolau Kerber, Leandro Blauth, Werner Mützenberg, P. Charles Werlich
Da esq. para a dir na frente.: Ijoni Jurema MichaelsenPa. Tânia Cristina Weimer, Iloiva Schmitt, Maria Elisabeth Augustin Collet 
 
Presidente: Maria Elisabeth Augustin Collet
Rua Almirante Tamandaré, 476; 93600-000 - Estância Velha - RS;
Telefone: (51) 3561.1138; Celular: 9727.6744 - E-mail:
 
1º Vice Presidente: Alécio Patzlaff
Rua Duque de Caxias, 62 - Aurora; 95185-000 - Carlos Barbosa - RS;
Celular: 54.9102.5121 - E-mail:
 
1ª Secretário: Leandro Blauth
Rua Visconde de Cairu,158; 93600-000; Bairro Rincão dos Ilhéus – Estância Velha - RS
Celular: (51) 9242.5761 - E-mail:
 
2° Secretária: Iloiva Schmitt
Rua Japão, 219 – 93600-000 – Bairro Bela Vista – Estância Velha – RS;
Telefone: (51) 3561.1832, - Celular: (51) 9381.5257 - E-mail:
 
1° Tesoureiro: Werner Mützenberg
Rua Henrique Spier, 1731; 95768-000 - Linha Nova - RS
Telefone: (51) 3445.5191, (51) 3445.5190 e (51) 3445.5045 - Celular: (51) 9619.2511 - E-mail:
 
2° Tesoureiro: Celso Nicolau Kerber
Rua Irmãos Brochier, 220; 95790-000 – Brochier - RS
Telefone: (51) 3697.1355 e 3697.1211 - Celular: (51) 9268.1179 - E-mail:
 
Pastora Sinodal: Ma. Tânia Cristina Weimer
Rua Barão do Rio Branco, 828; 93600-000; Estância Velha - RS
Tel. da Secretaria do Sínodo: 51 3561 2905 Cel.: 51 9824.4326
Tel.Residencial: 51 3551.0253
e-mail:
 
Vice Pastor Sinodal: Charles Werlich
Rua Linha Pinheiro Machado, s/n; Caixa Postal 10; 95790-000 - Interior- Brochier - RS
Tel.: 51 3697.3022; Cel.: 51 99220.2191
e-mail:
 
Representante do Sínodo no Conselho da Igreja: Ijoni Jurema Michaelsen
Rua Judenberg, 105; 95150-000 - Nova Petrópolis-RS;
Tel.: 54 3281 1901 e 54 3281 1068; e-mail:
 

Pastorado Sinodal

 

Pastora Ma. Tânia Cristina Weimer, nasceu em 07 de setembro de 1968 em Salvador do Sul/RS, filha de Oto Weimer e Sita Weimer. Batizada em 22 de setembro de 1968 na Comunidade Evangélica de Linha São João, Paróquia Esperança de Salvador do Sul, onde também fez a confirmação no dia 26 de abril de 1981.

Filha de pequenos agricultores, incentivada pelo exemplo dos  pais, desde cedo se envolveu na comunidade participando do culto infantil e também do grupo de jovens, onde exerceu liderança junto ao grupo e também, na época, do Distrito Eclesiástico Vale do Caí.

Formação

Estudou na Escola Rural de Linha São João, na Escola Estadual de Primeiro Grau Incompleto Arthur Weimer, Ginásio Municipal de Salvador do Sul e concluiu o Ensino Fundamental na Escola Normal Madre Bárbara em Lajeado.

Se formou no Ensino Médio (2º Grau) na  Escola Estadual de 2º. Grau de Salvador do Sul com a Habilitação de Agente de Defesa Sanitária Vegetal.

Em 1988 ingressou na Escola Superior de Teologia – EST, em São Leopoldo concluindo em 1993, como Bacharel em Teologia.

Estágio – Paróquia de Massaranduba/SC no período de agosto de 1992 a fevereiro de 1993, com o P. Dr. Henrique Krause.

Período Prático (PPHM) na Paróquia de Parobé/RS em 1994, com o P. Enos Heidemann.

Ordenação

Em 18 de dezembro de 1994, foi Ordenada ao Ministério Pastoral.

Participou do Curso MMPL (Curso para Multiplicadores e Multiplicadoras de Liturgia) em São Leopoldo.

Mestrado

Em dezembro de 2003 concluiu o Mestrado Profissionalizante em Teologia Prática – Área de Concentração: Liturgia, na Faculdade EST.    

Ministério

Ingressou no Ministério Pastoral em janeiro de 1995, ao ser enviada pelo Conselho da Igreja ao primeiro Campo de Atividade Ministerial na Paróquia Evangélica Emanuel de Cerrito Alegre, Sínodo Sul-Rio-Grandense, onde exerceu o ministério até junho de 2003, quando assumiu o ministério na Paróquia de Nova Hartz, Sínodo Nordeste Gaúcho.

Durante o exercício do ministério no Sínodo Sul-Rio-Grandense foi pastora orientadora da Terceira Idade, da OASE e da Liturgia.

Chegando ao Sínodo Nordeste Gaúcho assumiu os trabalhos na área da Liturgia, onde auxiliou, junto com outros colegas, na administração de um curso em 2004 e 2005. De 2006 a 2010 foi pastora orientadora da Liturgia no Sínodo.

Participou da Comissão de Avaliação de Ministros e Ministras e Paróquias do Sínodo.

Integrou a Comissão Ação Confirmando da OGA, e o Conselho de Liturgia da IECLB.

Foi eleita Pastora Vice Sinodal do Sínodo Nordeste Gaúcho em 25/09/2010, na 13ª. Assembléia realizada em São Sebastião do Caí, para a gestão 2011 a 2014.

Integra a Diretoria da AMA - Associação de Mutuo Auxílio, nafunção de Vice-Presidente.

Na IECLB integra a Comissão de Diálogo Bilateral e a Comissão de Exame Oral.

Atuou na paróquia de Nova Hartz no período de junho de 2003 até Dezembro de 2014.

Na 17ª Assembleia Sinodal, em 27 de setembro de 2014, em Gramado, foi eleita Pastora Sinodal do Sínodo Nordeste Gaúcho, para  a gestão 2015 a 2018.

 

Equipe

 
A partir de março de 2011 o Sínodo Nordeste Gaúcho conta com duas novas colaboradoras: Clair Rosane Scherer Casagrande, na função de gestora e Solange Alaíde Bauermann Engel, na função de secretária. Para auxiliar nas funções administrativas e financeiras, foi recentemente implantado um sistema de gestão que nos permite maior transparência e aproximação junto às paróquias e comunidades no âmbito sinodal.
 
 
Na secretaria do Sínodo Nordeste Gaúcho  a gestora Clair Scherer Casagrande tem a importante tarefa de cuidar da secretaria e da parte administrativa.   
Clair Rosane Scherer Casagrande é luterana, casada, dois filhos, tecnóloga financeira e cursando a  Faculdades EST.
Para auxiliar nas funções administrativas e financeiras, foi implantado um sistema de gestão que nos permite maior transparência e aproximação junto às paróquias e comunidades no âmbito sinodal.
 
 
 
 
A Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), com sede em Porto Alegre-RS, tem sua origem no movimento reforma da igreja no século 16 do qual Martim Lutero  foi um grande protagonista. Na sua descoberta doutrinária, baseada em seus estudos da Bíblia Sagrada, Lutero afirma que o ser humano é salvo por graça e fé e não por obras meritórias.
 
Essa experiência da graça permite que os luteranos sejam caracterizados por um estilo de vida sem proibições e sem a imposição de regras de comportamento que possam ter como objetivo a obtenção da salvação, já que esta é alcançada por graça, mediante a fé.
 
O luteranismo chegou ao Brasil em 1824 junto com a imigração alemã e, embora tenha permanecido mais concentrado no Sul e Sudeste do Brasil por mais de um século, hoje há comunidades luteranas espalhadas em quase todos os estados brasileiros.
 
Desde a sua origem a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil tem nas comunidades sua base de sustentação mais importante. A vida celebrativa tem aí o seu espaço privilegiado. A Palavra de Deus é pregada e os Sacramentos são administrados. A Igreja abre espaço e valoriza a participação dos membros na vida comunitária. Estimula o seu testemunho na sociedade mediante seu engajamento em entidades e instituições educacionais e diaconais.
 
Em nível nacional a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil se estrutura em 18 Sínodos. Procura exercitar solidariedade e comunhão no testemunho da fé cristã. Diante da realidade brasileira e de outros temas da sociedade e do mundo a direção da Igreja faz declarações, emite posicionamentos e manifestos, veicula cartas pastorais e estimula a intercessão comum. Orienta os membros das comunidades e expressa para a sociedade brasileira a sua visão sobre temas e situações desafiadoras. O conteúdo desta palavra da Igreja e de outros documentos, como o guia prático de vida comunitária chamado "Nossa fé - Nossa vida", revela o que pensa, o que crê, como se caracteriza e se articula a Igreja.
 
www.luteranos.com.br
www.jorevluterano.com.br
www.novolhar.com.br
 
 
tema do ano 2016
 
campanha va e vem 2016
 
 
 

O Amigo das Crianças

Uma revista bimestral, dedicada às crianças de 6 a 11 anos. Também voltada a Educadores que participam com as crianças no desenvolvimento da fé cristã.

Image not available

Jorev Luterano

O Jorev, jornal nacional da IECLB, busca ser uma ferramenta de integração, fortalecimento e motivação por meio de uma comunicação voltada ao cumprimento da missão da Igreja.

Please publish modules in offcanvas position.